Perfeccionismo, para quê?
02/07/2020 11:25 em Há Psicologia Aqui

Há quem acredite que perfeccionismo é um ponto positivo. Eu também já acreditei, até que um dia me dei conta do quanto o meu perfeccionismo era tóxico e prejudicial à minha saúde.

Uma perfeccionista busca perfeição, mas a perfeição não existe, então tudo que ela pode perceber são falhas, são oportunidades de melhorias, são provas de que o perfeito não foi atingido.

Quando você é perfeccionista se torna refém de um resultado inatingível e isso é tão cansativo, porque entristece, magoa e bloqueia.

Quantas coisas perdi por medo de errar? Quantas oportunidades não me dei por não me considerar perfeita? Quantas vezes desvalorizei e diminui meu próprio esforço por não ter atingido a tal perfeição?

Muitas... Muitas vezes deixei de ser eu, muitas vezes não aceitei elogios, muitas vezes me negligenciei em busca de um ideal que não existe.

Meu perfeccionismo me fez hesitante, insegura, prepotente e triste.

Foi então que eu aprendi que “ser perfeito” não é bom ou bonito, é um fardo, um fardo pesado, doloroso e difícil de carregar.

Percebi que as melhores coisas em minha vida aconteceram após uma sucessão de erros, que a cada passo imperfeito que eu dava, melhor eu me tornava.

Que a perfeição nunca chega e que isso não é um problema, pelo contrário, é tão gostoso curtir uma evolução, olhar para todos os passos que você já deu, para as suas falhas, seus aprendizados e saber que ainda há muito para aprender.

Quando abandonei meu perfeccionismo senti meu fardo ficar mais leve, pude ouvir minha autocompaixão sorrir, ouvi meus sonhos gritarem que eles estavam aqui, e pude então me permitir viver, viver sem medo, errar, aprender e curtir meu caminho.

Hoje eu canto sem saber, eu danço sem coordenação, eu escrevo o que vem a minha mente e faço o que eu julgo necessário fazer.

Hoje eu me sinto mais orgulhosa de cada um dos meus passos, até os mais pequenos e bobos, hoje eu olho para mim com ternura e carinho, aceito meus erros e agradeço por eles, cada nova oportunidade é uma oportunidade.

Abandonar o perfeccionismo é dar a mão para si mesmo.

Abandonar o perfeccionismo é aceitar que não precisa ser perfeito para ser bom.

Para ser bom só precisa ser.

Viva a vida imperfeita, viva os erros que nos ajudam a crescer, viva o autocuidado e viva o amor próprio que existe, além dos horizontes da falsa ideia de perfeição. 


__________

Por Thais Almeida 

instagram.com/APsicologaThais

facebook.com/APsicologaThais

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
Rádio ESPORTESNET