O problemão: Gabriel, Santos, Internazionale e Spalletti.
04/12/2018 18:42 em Esportes

Falta de continuidade e ritmo marcaram a última experiência de Gabriel na Europa, após temporada favorável no Brasil a dúvida da volta paira no ar. 

São Paulo- Artilheiro da primeira divisão do futebol brasileiro, tendo marcado por 18 vezes, e vencendo a Bola de Prata - prêmio dado pela ESPN, uma das mais tradicionais premiações do futebol nacional - como melhor atacante da temporada, Gabriel Barbosa, ou GabiGol, vê seu futuro instável e com apenas uma certeza...no Santos ele não fica. Tampouco provável que permaneça no Brasil. 

A Internazionale, em 2016, investiu 30 milhões de euros no jogador e busca, se vende-lo, recuperar a quantia, já que os planos de trazer Modric estão a todo vapor e o acúmulo de dinheiro no cofre deve ser imprescindível para seduzir o croata. Contudo, nenhum clube brasileiro, como o Palmeiras e Flamengo, chegaram na casa dos valores pretendidos pela squadra nerazzurri. 

Na Europa os clubes se amontoam para oficializar propostas pelo jogador brasileiro, mas a Inter não admite perder dinheiro na transação. O time que chegou mais próximo ao que deseja a equipe de Milão foi o Everton, da enriquecida Premier League. De momento as tratativas acontecem. 

E nesse universo de oportunidades, ainda há a possibilidade da permanência...sim, ela existe. Apesar do atleta não ser a preferência para a temporada, a direção da Internazionale assume uma possível continuidade com o passe de Gabriel. 

Nesse imbróglio todo, Spalletti, técnico da equipe, esnoba o "menino gol". Como já fora feito na primeira passagem do santista na Itália. Durante a última temporada (17-18), Gabriel esquentou os bancos do Giuseppe Meazza mais do que esteve em campo. O clima entre o comandante do time e o "menino da vila" nunca foi bom, resultado? Falta de ritmo e, consequentemente, gols.  

A escassez fez com que Gabriel retornasse ao clube que o revelou para recuperar, a todo custo, o seu "rastro" e sua essência, que para os italianos, o atleta havia deixado no aeroporto antes do embarque. A aposta foi vencida, sem sombra de dúvidas, o bom futebol retornou as chuteiras do camisa 9. 

Após tanto sacrifício para retomar a forma de "antes", a Inter - na hora de cortar o bolo - joga o pedaço fora e aventa a possibilidade de perder o atleta. É bem verdade que a disputa por um pedaço de terra no ataque é bem complicada. O terreno tem Icardi, titular indiscutível, e que joga na mesma posição do brasileiro.  

Fato que não o impediria de jogar pelas laterais do campo, já que não é um centroavante de casca e tem boa mobilidade fora da área, falta boa vontade de Spalletti, já que a maior vontade de Gabriel é "apenas jogar com frequência". 

Enio Ricanelo.

COMENTÁRIOS
Rádio ESPORTESNET