Participe de nossa pesquisa de opinião

Almanaque do JEC: Willy Gonser
25/08/2017 - 21h00 em História E.C.

O ex-narrador esportivo Willy Gonser, conhecido como o mais completo do Brasil, morreu na manhã desta terça-feira passada, aos 80 anos, no hospital da Unimed, em Belo Horizonte, onde estava internado há uma semana para tratar de uma pneumonia. Pelos microfones da Rádio Itatiaia, Willy Gonser marcou gerações de torcedores, especialmente os atleticanos, com sua voz inconfundível, descrição precisa e emoção genuína. Ele iniciou a trajetória na Itatiaia em 1979. Foram quase 30 anos narrando jogos do Atlético e da Seleção Brasileira. Ao longo da carreira, Willy transmitiu 11 Copas do Mundo.

O pontapé inicial deu-se na Rádio Marumby, do Paraná. “Eu era locutor já há dois anos. Fazia tudo, inclusive era radioator e animador de auditório. Tudo, menos esporte. O chefe da equipe de esportes perguntou se eu não queria dar uma mãozinha para eles. Ele queria me levar para a equipe. ‘Vai comentar uma preliminar domingo no estádio’. Era um campeonato de aspirantes, que havia no Paraná na época”, contou o narrador em entrevista no programa Bastidores, da Itatiaia, em 2012. Ferroviária e Britânia se enfrentavam. Ao fim do primeiro tempo, o narrador anunciou Willy para comentar. Os 15 minutos se passaram, e o locutor não voltou. “Eu estava sozinho na cabine. Depois fiquei sabendo que o chefe da equipe estava no corredor ouvindo para ver o que eu faria. A bola rolou e eu comecei a narrar”.

A chegada à Itatiaia foi em 1979. Willy conta que já conhecia o comentarista e coordenador de esportes da Rádio de Minas, Osvaldo Faria porque há alguns anos fizeram uma transmissão juntos. “Ele fez comigo uma partida que apontaria o primeiro adversário do Brasil na Copa de 74: Espanha x Iugoslávia. A Itatiaia não conseguiu a linha [para transmissão] – e eram poucas – e eu tinha conseguido, era o coordenador da Rádio Gaúcha naquele tempo. Acabou-se fazendo essa composição.” Cinco anos depois, estaria na Itatiaia. A estreia, segundo Willy, foi num jogo entre Atlético e Fluminense, de Araguari, “numa tarde de meio de semana do mês de julho.”

Uma de suas narrações mais marcantes foi a do milésimo gol do Atlético em campeonatos brasileiros, feito pelo atacante Marques, contra o Goiás, em 2001, no Estádio Serra Dourada. “Eu até admito que cada vez que ouço o lance [percebo que] a emoção me dominou muito mais do que em outras ocasiões.” Também é lembrada pelos torcedores a perfeita descrição do segundo gol de Ronaldo na final da Copa do Mundo contra a Alemanha, em 2002. Esse foi o gol que mais o emociou. "Porque eu sou fã número 1 do Ronaldo Fenômeno. Essa foi uma daquelas [narrações] em que o aspecto emocional se sobrepõe à necessidade de ser observar sempre a boa técnica, mas às vezes a gente se esquece disso em nome da emoção. Eu falei do Ronaldo, mas o Rivaldo abrindo as pernas e tirando metade da defesa alemã..."

Após sair da Itatiaia, em 2009, Willy foi para a litorânea Alcobaça, no Sul da Bahia, praia que costumava frequentar quando estava de férias, mas não deixou de acompanhar o esporte. “Como tenho tempo disponível muito maior, hoje me sinto mais bem informado do que antes”, disse. “Sábado e domingo eu tenho que descansar, é um descanso completo, porque de segunda a sexta eu não faço nada”, brincou, bem humorado. Em 2015, voltou ao microfone para ser diretor de esportes, comentarista e apresentador da Rádio Inconfidência, de Belo Horizonte, onde ficou por seis meses, seu último trabalho. O mais completo acumulou passagens por algumas das maiores emissoras do rádio brasileiro como a Nacional (Rio de Janeiro), a Continental (Rio de Janeiro), a Jovem Pan (São Paulo), a Bandeirantes – onde só fez um jogo – (São Paulo), a Gaúcha (Rio Grande do Sul) e a Farroupilha (Rio Grande do Sul).

Fonte do Texto: Itatiaia

Foto: Divulgação/ Twitter

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
Rádio ESPORTESNET